Quais motivos para fazer uma rinoplastia secundária?

Tempo de leitura: 2 minutos

Em alguns casos, é necessária a realização da rinoplastia secundária: uma segunda cirurgia de rinoplastia para alcançar resultados mais satisfatórios e harmônicos para o paciente. É importante conhecer os verdadeiros motivos para realizar a segunda rinoplastia, pois se feita incorretamente pode apresentar resultados desagradáveis.

Rinoplastia secundária: o cirurgião deve considerar os motivos

Tanto motivos estéticos como funcionais são o que impulsionam a segunda rinoplastia.A rinoplastia secundária é geralmente necessária porque complicações decorrentes de erro técnico, recuperação pós-operatória, alterações de cicatrização ou recomendações médicas não foram exemplares. É importante lembrar que cada caso é único e o paciente deve considerar minuciosamente o segundo procedimento. Entenda mais:

Resultados mais finos

A razão mais frequente pela qual o paciente volta ao consultório é para corrigir a assimetria entre as narinas, ou quando a ponta do nariz fica muito redonda, as narinas estão muito expostas, e outras assimetrias. Graças à nova intervenção na zona do nariz, é possível alterar o ângulo, reduzir ou alargar o nariz, deixá-lo mais fino ou largo, corrigir as assimetrias, com o objectivo de conseguir um maior efeito estético em harmonia com a face como um todo.

Dificuldade para respirar

Mesmo que o procedimento seja estético, pode causar alterações na forma interna das vias nasais. Nesse caso, a segunda rinoplastia é indicada quando o paciente começa a ter dificuldade para respirar devido à diminuição da via aérea nasal. Esse problema pode acontecer por motivos variados, como insuficiência das válvulas nasais ou cornetos, que não foram devidamente tratados na primeira intervenção.

A segunda rinoplastia só pode ser feita depois de 1 ano da primeira

Isso mesmo. O paciente deve esperar pelo menos um ano antes de ser submetido a outra rinoplastia. É importante cumprir este prazo para que as estruturas do nariz estejam completamente cicatrizadas e curadas. Além disso, vale lembrar que o resultado final da cirurgia de nariz só pode ser observado após 6 meses da cirurgia, já que o nariz precisa de tempo para se desinchar, o que afeta diretamente sua forma final. A complexidade da primeira operação pode afetar o tempo de recuperação. Isso significa que quanto mais o cirurgião plástico precisar fazer mudanças no nariz do paciente, maior será o tempo de espera para a segunda rinoplastia.

Em média, esses influenciadores levam até um ano para desaparecer. Portanto, este é o tempo mínimo recomendado para a procura de uma rinoplastia secundária. Muitos especialistas em rinoplastia não realizam operações secundárias antes desse período.

Atente-se na escolha do cirurgião para a sua rinoplastia secundária. A segunda rinoplastia é mais difícil e minuciosa. Dessa forma encontre um especialista que já tenha feito cirurgias desse tipo antes.

Especialista em rinoplastia

O dr Iran Sanches é especialista em rinoplastia, com experiência de muitos anos em cirurgia plástica e foco em rinoplastia. Entre em contato com nossa equipe e agende um horário, estamos à sua disposição para tirar todas as suas dúvidas e a realizar seu sonho da rinoplastia.

Cirurgias Faciais, Cirurgias Corporais e Procedimentos Estéticos - Dr. Iran Sanches

CRM – 64705
Cirurgia Geral RQE – nº 13043
Cirurgia Plastica RQE –  nº 13401

Especialista em Rinoplastia e Cirurgia Plástica
Formado em Medicina em 1987 pela Universidade Federal do Paraná, concluiu residência de Cirurgia Geral credenciada e reconhecida pelo MEC em 1989 e em Cirurgia Plástica em 1992, reconhecida pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Já em 1992 foi aprovado em exames de provas e de curriculum, tendo recebido Título de Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, registrado pelo CREMESP, e pelo Conselho Federal de Medicina.

Em 1996 realizou curso de Cirurgia Plástica na New York University e no Manhattan Eye, Ear & Throat Hospital.
Em 2003 cursos no Mount Vernon Hospital, Northwood e no St. Thomas Hospital em Londres. Em 2012 no Lenox Hill Hospital em NY fellowship em cirurgia facial e foco em rinoplastia. Complementação da formação no Langone Medical Center da New York University.

Em 2016 ascensão a Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, com a apresentação do trabalho “Rinoplastia: Uma análise retrospectiva”. Esse trabalho científico é baseado na análise de 775 pacientes submetidos a Rinoplastia, entre 1993 e 2015, revelando importantes aspectos dessa casuística.

Anatomista convidado para ministrar vários cursos no MARC (Miami Anatomical Research Center) em anatomia associada a cirurgia facial e procedimentos faciais minimamente invasivos.

Participando com frequência de congressos científicos nacionais e internacionais, se mantem sempre atualizado com as últimas técnicas e procedimentos em Cirurgia Plástica, para proporcionar o melhor tratamento aos pacientes, sempre dentro de altos critérios ético-científicos.