Preciso ter medo da anestesia para rinoplastia?

Tempo de leitura: 2 minutos

O medo da anestesia é algo comum para muitos pacientes, sobretudo quando se trata da anestesia geral, sobre a qual paira o receio de não acordar. O que é importante ressaltar para as pessoas que desejam fazer alguma cirurgia é que com o passar dos anos e evolução da medicina, a anestesia também evoluiu. Outro ponto importante a se destacar é que antes da consulta, logo em momento inicial é preenchida a ficha de anamnese, nela o paciente informa os procedimentos anteriores que já fez, histórico familiar, hábitos, doenças, uso de medicamentos e etc.

Em consulta, o médico torna os questionamentos mais específicos e em caso de agendamento cirúrgico são solicitados exames como o eletrocardiograma, hemograma, glicemia e coagulograma, entre outros, todos os que possam comprovar o estado real de saúde do paciente pré-operatório, que só será encaminhado para cirurgia após resultados positivos desses exames. No momento da cirurgia o médico anestesista que irá acompanhar o procedimento também conversa com o paciente, examina os exames citados anteriormente e faz questionamentos necessários a cerca da saúde do mesmo.

A principal finalidade da anestesia é que o paciente não sinta desconforto ou dor durante o procedimento, no caso decirurgias menores. Em grandes cirurgias, a anestesia se torna uma aliada também por realizar bloqueio da musculatura do paciente, impedindo que ele se mova durante a cirurgia e coloque em risco sua saúde e os resultados do processo. Promove também amnésia e inconsciência passageiras.

Após o momento em que o anestesista conversa com o paciente, ele oferece uma medicação que promove relaxamento e tira a ansiedade,além de provocar amnésia, de forma que a pessoa não tenha lembranças da cirurgia em si. Em seguida, na sala do centro cirúrgico, o anestesista introduz na veia do paciente a anestésico de fato.

A anestesia geral na cirurgia de rinoplastia é o padrão, considerada mais segura, pois acaba tendo função protetora das vias aéreas em razão do tubo de anestesia, tubo pelo qual será passado o oxigênio que chega aos pulmões.Como os movimentos musculares ficam paralisados, isso inclui os responsáveis pela respiração, daí a necessidade da intubação e da ventilação mecânica.

Os pacientes que desejam passar pela cirurgia de rinoplastia, não devem temer a anestesia geral, ela é a mais segura, mas assim como qualquer outro procedimento, deve ser feita por profissionais sérios e capacitados, em ambiente hospitalar que forneça condições adequadas para promover segurança do paciente e os melhores resultados possíveis.

Cirurgias Faciais, Cirurgias Corporais e Procedimentos Estéticos - Dr. Iran Sanches

CRM – 64705
Cirurgia Geral RQE – nº 13043
Cirurgia Plastica RQE –  nº 13401

Especialista em Rinoplastia e Cirurgia Plástica
Formado em Medicina em 1987 pela Universidade Federal do Paraná, concluiu residência de Cirurgia Geral credenciada e reconhecida pelo MEC em 1989 e em Cirurgia Plástica em 1992, reconhecida pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Já em 1992 foi aprovado em exames de provas e de curriculum, tendo recebido Título de Especialista em Cirurgia Plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, registrado pelo CREMESP, e pelo Conselho Federal de Medicina.

Em 1996 realizou curso de Cirurgia Plástica na New York University e no Manhattan Eye, Ear & Throat Hospital.
Em 2003 cursos no Mount Vernon Hospital, Northwood e no St. Thomas Hospital em Londres. Em 2012 no Lenox Hill Hospital em NY fellowship em cirurgia facial e foco em rinoplastia. Complementação da formação no Langone Medical Center da New York University.

Em 2016 ascensão a Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, com a apresentação do trabalho “Rinoplastia: Uma análise retrospectiva”. Esse trabalho científico é baseado na análise de 775 pacientes submetidos a Rinoplastia, entre 1993 e 2015, revelando importantes aspectos dessa casuística.

Anatomista convidado para ministrar vários cursos no MARC (Miami Anatomical Research Center) em anatomia associada a cirurgia facial e procedimentos faciais minimamente invasivos.

Participando com frequência de congressos científicos nacionais e internacionais, se mantem sempre atualizado com as últimas técnicas e procedimentos em Cirurgia Plástica, para proporcionar o melhor tratamento aos pacientes, sempre dentro de altos critérios ético-científicos.